domingo, 15 de julho de 2018

O REI AMARELO - Raphael Fernandes


   Na última Festa do Livro da USP, o estande da Editora Draco foi o que mais me chamou a atenção. Além de só trazerem autores nacionais, o catálogo da editora ainda apresenta obras que dificilmente seriam publicadas em outras mais tradicionais.

    Minha escolha foi O Rei Amarelo. Na HQ, 8 artistas apresentam sua versão de histórias em que a peça amaldiçoada, "O Rei Amarelo" (que faz todos enlouquecerem após a leitura), aparecem nos momentos mais improváveis e levam consigo a sanidade dos personagens.


   Todo em preto, branco e amarelo, o livro apresenta oito traços diferentes, e oito formas de narrativa que não tem conexão entre si diretamente, mas sim, num contexto maior. Em todas elas, os personagens buscam por Carcosa, um lugar, uma cidade ou talvez um estado de espírito, sendo um dos maiores mistérios da HQ.  Os autores e as histórias foram escolhidos por Raphael Fernandes.


   Enquanto "Fantasmas na Máquina" (Pedrada), "Maldita Rotina" (Airton Marinho e Marcos Caldas), "Taxidermia Anímica" (Rafael Levi e Samuel Bono) e Medíocre (Raphael Salimena) criticam a sociedade atual, seus vícios e preconceitos, "A Boneca" (Tiago Zanetic e LuCAS Chewie), "Caninos" (Erik Avilez e André Freitas), "O Rei dos Ratos" (Tiago Roch e Victor Freundt) trazem um protesto ao comportamento humano em geral, todos sendo costurados pela lenda do Rei Amarelo. Ainda temos o conto "A Rainha Amarela" (Maurício Campos e Péricles Ianuch), que explica uma possível teoria da forma como Edgar Alan Poe escreveu o famoso conto "O Corvo".

    Sendo capaz de atingir, desde o público fanáticos por mangás e quadrinhos, até aqueles acostumados com as narrativas de suspense, O Rei Amarelo traz novos artistas que merecem ser conhecidos pelo grande público, com traços marcantes e memoráveis. 

   Espero que vocês tenham gostado,

   Até a próxima :D 

sábado, 14 de julho de 2018

Pequenos Incêndios Por Toda Parte - Celeste Ng


Em seu segundo romance, Celeste Ng traz ao leitor um drama familiar que representa e critica o conservadorismo de uma pequena cidade planejada, tornando-se uma das melhores leituras desse ano.

Em Shaker Heights tudo é planejado: da localização das escolas à cor usada na pintura das casas. E ninguém se identifica mais com esse espírito organizado do que Elena Richardson.
Mia Warren, uma artista solteira e enigmática, chega nessa bolha idílica com a filha adolescente e aluga uma casa que pertence aos Richardson. Em pouco tempo, as duas se tornam mais do que meras inquilinas: todos os quatro filhos da família Richardson se encantam com as novas moradoras de Shaker. Porém, Mia carrega um passado misterioso e um desprezo pelo status quo que ameaça desestruturar uma comunidade tão cuidadosamente ordenada. (sinopse disponível no site da Editora Intrínseca)

A forma como a narrativa me prendeu desde as primeiras fases foi impressionante. A estética da escrita se assemelha à utilizada por Clarice Lispector e Virgínia Woolf, um fluxo de pensamento que une de forma fluida e contínua o ponto de vista de cada um dos personagens.

Mia Warren tem, como função principal, derreter a solidez que permeia Shaker Heights, questionando os valores e costumes tão intrínsecos àquele grupo social. Sua filha, Pearl, logo se apaixona pela vida repleta de luxo e mordomias na qual os filhos da proprietária da casa vivem. Os laços entre eles se estreitam cada vez mais, deixando as diferenças entre as realidades sociais ainda mais evidentes.

Celeste Ng utiliza essa variedade de pontos de perspectiva narrativa para trazer ao leitor uma forte e necessária crítica a diversos tipos de preconceitos, como a xenofobia, o racismo e o machismo, focalizando em uma pequena cidade, aparentemente perfeita, e sendo capaz de espelhar a realidade atual de inúmeros países. É necessária uma leitura atenta para conseguir acompanhar o ritmo da escrita, sem deixar de perceber as minúcias que permeiam as mais simples situações retratadas e aproveitar muito cada página dessa obra tão singular. 

sexta-feira, 13 de julho de 2018

TRAÇOS - Eduardo Cilto


Em uma linguagem jovem e fluída, Eduardo Cilto traz diversos questionamentos que passeam pelas mentes da juventude contemporânea em seu primeiro livro, "Traços".

Matheus, o típico adolescente dos romances YA (young adult), aproveita a experiência de sua primeira festa, na companhia de seus amigos da escola e de Beatriz, a garota por quem ele nutre uma forte paixão desde pequeno, quando é convencido por Ivo, seu melhor amigo, a participar de um duvidoso ritual místico. O ritual leva Beatriz a se questionar sobre sua monótona vida na cidade interiorana onde todos vivem, planejando então uma fuga para São Paulo, onde encontraria o Garoto Diferente, um youtuber que parecia ser o cara perfeito para lhe responder as complexas questões da adolescência. Incrédulo pela loucura da amiga, Matheus decide acompanhá-la, vendo ali uma perfeita oportunidade para passarem um bom tempo juntos e sozinhos, mas os desafios da cidade grande logo se revelam mais assustadores do que o esperado. 

Misturando comédia, romance, mistério e diversas citações de ícones da cultura pop, Traços surpreende, principalmente, por ter um protagonista, ao mesmo tempo que extremamente semelhante à maioria dos personagens do gênero, perfeitamente desenvolvido. Matheus possui características, opiniões, atitudes e um passado muito bem planejados, desenvolvidos e demonstrados durante toda a narrativa, ainda sua história seja revelada aos poucos. A morte de seu irmão e sua atual relação com a família figuram como fatores principais nas tomadas de decisões do garoto. Além das aventuras e das situações inusitadas vividas por Matheus e Beatriz, os capítulos finais surpreendem pela atmosfera de suspense que se mantém até o final da narrativa.  

A leitura é leve e rápida, já que o vocabulário é extremamente despretensioso e acessível para seu público alvo, incluindo ainda diversas passagens que questionam a realidade brasileira, seus grupos minoritários e o constante preconceito sofrido por eles. Os fãs de Eduardo podem encontrar inúmeras semelhanças entre o romance e o conteúdo trazido pelo garoto em seu canal na internet, aproveitando uma história que surpreende a cada novo capítulo, com personagens bem trabalhados e uma trama cativante. 

segunda-feira, 18 de junho de 2018

O PARQUE (por Dorival Valente)



O rei da brincadeira (ê, José)
O rei da confusão (ê, João)
Um trabalhava na feira (ê, José)
Outro com a literatura (ê, João)
Numa semana passada, no meio da semana
João resolveu não brigar
Na quarta de tarde saiu apressado
E não foi pra Paulista jogar capoeira
Não foi pra lá, pra Casa das Rosas, foi um livro lançar!

E não foi sozinho. Ele e mais cinco amigos (Mel, Silva, Driely, Tiago e Diogo) foram mostrar um pouco da jovem literatura paulista.
O  livro O PARQUE é isso: Brinquedos literários em forma de contos para você apreciar, distrair-se, contemplar,  aprender.
Nos anos 80 um livro, também de contos, foi o primeiro que li nessa forma, onde um mesmo assunto é tratado por diferentes autores. O Livro A MISSA DO GALO -  VARIAÇÕES OSBRE O MESMO TEMA, traz  contos produzidos a partir do conto  homônimo  de Machado de Assis.
 Curiando (não me lembro quem falava assim?) pela internet encontrei uma  poesia sobre o  tema, de Francismar Prestes Leal:
Parque de Diversão...

Quando a caravana
Do parque cruzava a
Rua de paralelepípedos,
A alegria me preenchia.

Corria até a montagem
Das máquinas e barracas.
E meus olhos luziam mais
Que as luzes dos painéis.

Quando abriam os portões,

O faziam em meu coração.
E eu voava parque adentro.

Maçã doce, algodão do amor.
Brincava, e cantava, e sorria.
Que saudade daqueles dias...!

Venha, vamos visitar O PARQUE


BRINQUEDO: ASPAS
OPERADORA: Mel Geve
A história traz o quase Romeu brasileiro (Dirceu) lutando para esquecer sua Julieta (Marília). O engraçado (e a vida é engraçada) é que, exatamente antes de começar a leitura deste conto, ouvi Iracema, do Adoniran Barbosa, uma música que também fala sobre viver (ou não) após a perda de um grande amor. O texto é uma Montanha Russa, idas vindas pensamentos gritos subidas descidas curvas medos incertezas. Emocionante!

BRINQUEDO: ABANDONADOS
OPERADORA: M.R. SILVA
Uma história que resgata e atualiza o folclore brasileiro. Nossas lendas e tradições (geralmente tão substituídas  por culturas alheias à nossa flora e fauna) merecem mais trabalhos como o este. Ao final do texto pensei em  “como é que seriam escritas As Reinações de Narizinho nestes tempos informáticos?”. O conto é bem descritivo  e faz o leitor acreditar que está em frente a um computador acessando um Vlog. Que nossas raízes nunca sejam perdidas!

BRINQUEDO: UNICÓRNIOS
OPERADORA:  DRIELY MEIRA
Eu sempre confundi Unicórnios  com o Pégaso, mas este não tem chifre e, nem em todas as versões, aqueles possuem asas. Coincidentemente (como eu tenho preguiça de escrever coincidentemente, muita letra para um significado simples) antes de ler O PARQUE eu li O Centauro no Jardim, do (infelizmente pouco lido pelos jovens) Moacir Scliar. Nele o Centauro sonha com um Unicórnio  alado. O texto da Dryeli Meira é introspectivo e trata sobre o lidar com diferenças e possibilidades. Leia o livro do Scliar! Leia o texto da Driely.

BRINQUEDO: SONHO DE UMA TARDE DE INVERNO
OPERADOR: TIAGO VALENTE
Dizem que Ulisses foi o “único” a ouvir o canto das Sereias e sobreviver. Para isso pediu para ser amarrado ao mastro do navio. Creio que não foi o único. Amarrando-se no barco da inspiração, o Tiago também ouviu, sobreviveu e nos contou. História bem amarrada, estruturada! Visitar um Parque de Diversões nos instiga a viver aventuras, superar bloqueios dificuldades. E se, por um acaso,  superarmos nossos medos e nos tornarmos heróis, quem vai acreditar? A resposta talvez esteja no conto, talvez não. Enfrente seu medo, leia!


BRINQUEDO: NÃO SE VOLTA DA TERRA DE ENURESE
OPERADOR: DIOGO MARINS LOCCI
Eu confesso e (como canta Gonzaguinha) confessar me alivia. Eu, como escritor, tenho muita dificuldade em acrescentar aos  textos as modernidades informáticas  contemporâneas. Como contar a emoção de uma  história onde a ação se passa numa conversa de whatsapp? Não sei (ainda não sei,  mas algumas vezes não sou de desistir fácil). Enurese é  um parque fantástico. O Michael  Jackson adoraria brincar por  lá. Texto intrigante. Muito bom!




BRINQUEDO: MILK-SHAKE DE AMORA
OPERADOR: JOÃO PAULO HERGESEL
O Amor é complicado, mas a paquera não. Há uma fase na vida em que a gente pensa que as paqueras são amor. Não são. Um texto dinâmico que retrata bem uma tarde adolescente, uma tarde de descobertas birras inconsequências e revelações. Assim podem ser as tardes no Parque. Gostei!
💎 Amazon (livro impresso): https://www.amazon.com.br/dp/8566626281
💎 Amazon (livro digital): https://www.amazon.com.br/dp/B07BJMMPKW
💎 Jogo de Palavras (livro impresso): https://jogodepalavras.lojaintegrada.com.br/o-parque
Os ingressos para este belo e literário Parque pode ser adquirido na Amazon books  ou com a editora. Liberte seu espírito jovem e venha para estas surpreendentes páginas. O PARQUE te espera!
Para terminar imagens de um parque da minha infância e juventude: Play Center


sexta-feira, 25 de maio de 2018

Devaneios de uma Famosa em Apuros - Nohane Carvalho



Atribuo o fato de ler o tanto que leio à duas autoras: J. K. Rowling, e Sophie Kinsella. Os livros de Becky Bloom foram fundamentais na minha formação como leitor e responsáveis pelo fim de diversas ressacas literárias.

As páginas de “Devaneios de uma Famosa Em Apuros” me trouxeram de volta à atmosfera do universo chick-lit, que há muito eu não visitava. Na história de Nohane Carvalho, conhecemos Helena DeLaio, garota talentosa que sonha com a fama em sua ainda iniciante carreira de cantora, embora tenha que lutar com a desaprovação de sua mãe e dos produtores que insistem em ver seu corpo como “fora dos padrões”. Num piscar de olhos, e numa virada de página, um acidente é responsável por mudar sua vida, transportando-a cinco anos à frente, sem qualquer memória dos anos anteriores e com a descoberta do tão sonhado estrondoso sucesso na indústria da música. A atual vida de Helena parece perfeita ao lado de Thor, seu marido rockstar, em uma casa repleta de funcionários e uma horda de fãs, até que suas atitudes, decisões e comportamentos nos últimos cinco anos mostram que talvez a fama possa ter lhe transformado em uma Helena diferente daquela garota singela e sonhadora.  

Não se deixe enganar pelos primeiros capítulos do romance. A protagonista, que a princípio possa parecer comum, logo começa a demonstrar suas peculiaridades, sua forte personalidade e seu caráter. Sua evolução na trama deixa evidente o planejamento de desenvolvimento da personagem feito pela autora, aplicado à trama de modo que nos aproxima e nos cativa em poucos capítulos. Após algumas horas de leitura, já estava me considerando amigo próximo de Helena e confesso estar com saudades de suas loucuras.

Outro aspecto que evolui no decorrer da narrativa é o humor característico do gênero. Pequenas pílulas de um humor irônico e leve são acrescentadas à cada página, sendo responsáveis por nos lembrar de que a juventude ainda está fresca na mente de Helena já que, para ela, cinco anos se passaram em apenas alguns segundos. Aliado à protagonista, Thor, o suposto marido perfeito, é peça fundamental da trama, acrescentando muito aos momentos cômicos da narrativa através de sua sensualidade e malícia.

Apesar das diversas risadas, o romance também me tirou algumas lágrimas (sim, no meio do transporte público). Além do enfoque no romance do casal e em toda a situação adversa na qual Helena tenta recuperar as rédeas de sua carreira, “Devaneios” aborda diversas questões extremamente necessárias nos tempos atuais. A influência e crueldade da mídia no enaltecimento do corpo perfeito, assim como diversas formas de exploração às mulheres da área artística, são alguns tópicos que permeiam o romance, mas a choradeira rola solta quando Helena tem que enfrentar as relações com sua mãe e com seus amigos, completamente desestabilizadas nos anos esquecidos.

 O principal acerto da autora é a forma como ela cativa o leitor a cada página. Cada problema aparentemente solucionado por Helena funciona como uma porta para novas situações, novos dilemas e devaneios. O final de um capítulo é um convite irrecusável para o próximo e é impossível não se identificar com a protagonista e torcer para seu sucesso. “Devaneios de uma Famosa em Apuros” é perfeito para os fãs do gênero e para aqueles que desejam conhece-lo, além de ser uma excelente prova de que as publicações e os autores independentes merecem seu devido reconhecimento e mérito na literatura nacional.   


O livro, assim como sua continuação, está disponível na Amazon: http://a.co/fZBLp47


Siga a autora nas redes sociais!

Instagram: @nohanecarvalho
Youtube: Nohane Carvalho


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O Ceifador - Neal Shusterman


Os universos distópicos que, após o flop da série Divergente, pareciam ter perdido aquele fogo gerado por Jogos Vorazes, mostram que ainda têm potencial a ser explorado e um público a ser conquistado em séries como Black Mirror e livros como O Ceifador, publicado pela Editora Seguinte.

A obra de Neal Shusterman traz uma sociedade onde a tecnologia evoluiu para se unificar em uma única nuvem, a Nimbo-Cúmulo, que aplica as penalidades conforme as leis estipuladas, armazena e divulga informações, além de trazer de volta à vida aqueles que morrem. A cura para morte e para todas as outras doenças existentes parecia ser a solução para todos os problemas, até que o crescimento populacional excessivo resultou na criação do temido ofício dos ceifadores. As vidas coletadas pelos Ceifadores, não podem utilizar a tecnologia da Nimbo-Cúmulo para "revivação", e são condenadas ao desconhecido do pós-vida.

Embora nunca tenham sonhado com tal trabalho, os estudantes Citra e Rowan são escolhidos como aprendizes do rígido e metódico Ceifador Faraday, que os ensina seus valores, princípios e métodos de coleta, enquanto ceifadores mal intencionados, liderados pelo Ceifador Goddard, iniciam coletas em massa, violentas e torturantes, ignorando a centelha de humanidade que ainda existe naqueles que prestam o necessário serviço.

Além da atmosfera futurística, o livro se caracteriza, principalmente, por seus debates políticos, articulando questões como corrupção, o papel da mulher na política e a utilização do poder como forma de manipulação. Misturando a apresentação de uma nova organização social, com a vida sentimental dos adolescentes e a violência dos ceifadores de má índole, o autor ainda conseguiu acrescentar ao enredo um questionamento acerca das crenças religiosas e de suas importâncias na estrutura social.

A escrita de Shusterman e diagramação da Editora Seguinte fazem a leitura ser viciante. Cada capítulo termina em um cliffhanger que não te deixar largar o livro antes de desvendar o novo mistério proposto pelo autor. Sem dúvida, uma das leituras mais rápidas e proveitosas de 2017!

terça-feira, 28 de novembro de 2017

BANDA MIRIM BUDA - Dorival Valente



No romance que escrevo passeio por algumas questões de crença e fé. Para isso tive que estudar um pouco sobre o budismo. Já faz tempo que apareço algumas vezes no Zulai, sei um pouco das histórias e dos conceitos budistas. O Franco me ensinou muito nos tempos em que trabalhamos juntos em São Joaquim.
No domingo fui assistir a apresentação BUDA, da BANDA MIRIM. Que coisa linda!
Claro, há a presença da Nô Stopa, de quem sou fã de carteirinha...
O palco desnudo de cortinas, grandes varetas fazem o fundo e dão a impressão oriental necessária. Os atores cantam tocam dançam e se transformam ali mesmo.
Tudo muito suave, muito sereno, muito sincero. A fecundação e o parto do Buda é de uma poesia manifesta, poesia viva.
Em um primeiro momento, por saber que a apresentação seria da Banda Mirim, imaginei que a peça teria uma linguagem mais infantil. Enganei-me!
O texto atinge todas as idades. Tudo é suave (desculpem por usar
novamente “suave”, mas, creio, é a palavra que mais se encaixa). Não há exageros. Quando a plateia ri das situações encenadas, é um riso sereno. Quando o elemento maligno aparece, o medo não está presente.
O grande sentimento durante e depois da peça é o de PAZ!
Vá ao SESC Santana, leve seus pais, seus amores, suas crianças. A peça recebe bem a todos!

Vá!